top of page

Energia solar: Como funciona?

Atualizado: 7 de set. de 2022


Com certeza você já ouviu falar de energia solar, não é mesmo? Mas você já se perguntou como funciona esse sistema que gera energia renovável por meio dos raios solares?

Essa fonte de energia limpa é produzida por meio de tecnologias que captam a luz e o calor do Sol para gerar eletricidade – energia solar fotovoltaica e energia heliotérmica – ou aquecer água como a energia solar térmica.

Esses sistemas utilizados para a captação de energia solar são usados tanto em empresas, propriedades rurais ou industriais, quanto por consumidores residenciais, pois o uso de uma fonte de energia limpa e renovável beneficia o meio ambiente e ajuda a economizar na conta de luz.

Entenda como funciona a energia solar fotovoltaica

De uma maneira simplificada, a energia solar fotovoltaica funciona da seguinte maneira: os raios solares são captados pelas células fotovoltaicas presentes nos painéis solares, a energia é transformada pelo inversor solar que a adapta de acordo com as características da rede elétrica – de corrente contínua (CC) para corrente alternada (CA) – seguindo para o quadro de luz da residência.

Quanto maior a incidência solar nesses painéis, maior é a geração de energia, portanto, evite colocar as placas solares em locais onde há sombra. Mas saiba que a captação de energia solar acontece mesmo em dias nublados, embora seja consideravelmente menor.

Em um local com um sistema fotovoltaico instalado, é possível estabelecer quanto de eletricidade provém do sistema fotovoltaico e quanto advém da companhia de energia elétrica que abastece a região.

Quando não é produzida energia solar suficiente, o sistema utiliza energia elétrica tradicional; quando a energia solar é produzida em excesso, a energia é direcionada para a rede de distribuição e, em compensação, você recebe créditos solares que podem ser usados por até 60 meses.

On grid, off grid ou híbrido, quais são as diferenças entre esses sistemas de captação de energia fotovoltaica?

Existem algumas variações de sistemas usados na captação de energia fotovoltaica:

  1. Sistema on grid: Funciona conectado à rede elétrica que fornece energia durante a noite e recebe o excedente, contabilizando-os como créditos de energia.

  2. Sistema off-grid: É isolado da rede elétrica tradicional. A energia solar captada durante o dia é armazenada em baterias para que possa ser usada a noite e em dias chuvosos. É uma solução para localidades remotas.

  3. Sistema híbrido: É conectado à rede elétrica, mas também possui baterias de armazenamento da energia excedente.


Produzi energia solar em excesso, como funcionam os créditos de energia?

Não é porque você produz energia limpa que você precisa esbanjar. Quando a energia limpa produzida excede o consumo, esse percentual é transferido para a companhia de energia elétrica e você recebe os créditos energéticos que mencionamos acima.

Regulamentados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), os créditos de energia são gerados por micro e minigeradores de energia elétrica de forma distribuída.

Para cada um kWh produzido em excesso, o consumidor recebe um crédito de kWh respectivo. Observe em sua conta de luz o quanto de energia limpa você consumiu e o quanto você injetou na rede elétrica da sua cidade.

Como você tem até cinco anos para utilizar os créditos de energia, se o sistema for bem dimensionado, é provável que você passe a pagar apenas a tarifa mínima de sua conta de luz.

Quais são as vantagens e desvantagens da energia solar?

Se tornar um produtor de energia solar é uma grande decisão – especialmente se você decidir colocar placas solares em seu telhado. Para ajudá-lo a fazer a melhor escolha, preparamos uma tabela de prós e contras:

Vantagens


Desvantagens

É ecologicamente correto

Requer investimento elevado

Gera uma economia de até 95% na conta de luz

Requer manutenção eventual e cuidados como manter os painéis limpos

Instalação simples

Investimento pode não ser valorizado em caso de venda do imóvel

Não faz barulho

A eficiência de geração de energia é baixa



Achou todo esse sistema muito caro e complexo? Descubra uma alternativa para utilizar energia solar residencial sem instalação de placas solares.

Precisamos desmistificar a ideia de que para produzir energia solar você precisa:

  1. Morar em casa própria

  2. Investir em painéis solares

Atualmente, existem startups, como a Reverde, que conectam cidadãos com produtores de energia solar. Essa energia é creditada em seu nome na distribuidora de energia e você ganha descontos na conta de luz.

Com a Reverde, você pode economizar entre 5% e 15% em sua conta de luz todos os meses, sem investimento inicial, sem instalação de infraestrutura de energia solar fotovoltaica e em um processo 100% digital.

E você nem precisa ser dono do imóvel. Se você morar em um apartamento alugado você pode produzir energia solar, basta que a conta de luz esteja em seu nome e você consegue se associar à Reverde – por enquanto só estamos no Rio de Janeiro.


A energia solar no Brasil

O Brasil foi um dos primeiros países em desenvolvimento a fabricar painéis com células fotovoltaicas. E como nosso país está próximo à Linha do Equador, ou seja, em uma região onde a incidência solar é elevada, nós temos as condições perfeitas para produzir energia solar.

A procura também cresceu. Segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, houve um aumento de 65,9% de geração de energia solar no Brasil, em relação a abril do ano passado.

Parte deste resultado pode ser atribuído ao formato de produção de energia solar compartilhada, por meio da parceria entre cidadãos e cooperativas produtoras de energia solar, como explicamos acima.

Ainda assim, quando consideramos a matriz energética brasileira, a energia solar representa apenas 1,7%, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, portanto, ainda há muito espaço para crescimento da fonte.

Gostou do artigo? Agora você sabe como funciona a energia solar na prática. Mas se ainda estiver com alguma dúvida, deixe um comentário abaixo. Já publicamos outros artigos sobre energia solar aqui no Blog.


Comments


bottom of page